quinta-feira, 22 de junho de 2017

COMUNICADO



EM CUMPRIMENTO AO ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE GEOGRAFIA SERÁ REALIZADA ELEIÇÃO DA NOVA DIRETORIA PARA O EXERCÍCIO 2017/2018 E CONFORME DEFINIDO EM ASSEMBLEIA GERAL DO DIA 20 DE JUNHO DE 2017 FOI DEFINIDA A COMISSÃO ELEITORAL, SENDO COMPOSTA PELOS ESTUDANTES:

EGON RAFAEL BARBOSA DA SILVA (4º PERÍODO)

JUCICLEIDE DOS REIS CARNEIRO (2º PERÍODO)

VALÉRIA CUNHA RODRIGUES (2º PERÍODO)

A COMISSÃO TEM A RESPONSABILIDADE DE CONVOCAR AS ELEIÇÕES E DIVULGAR A DATA DO PLEITO ASSIM COMO, CREDENCIAR AS RESPECTIVAS CHAPAS.



SENHOR DO BONFIM - BA 22 DE JUNHO DE 2017


ALEXANDRE SANTOS
COORDENADOR ADMINISTRATIVO


segunda-feira, 12 de junho de 2017

CARTA DE CONVOCAÇÃO

ASSEMBLÉIA GERAL – DIRETÓRIO ACADÊMICO DE GEOGRAFIA

Ficam convocados todos os alunos do Curso de Licenciatura em Geografia da Universidade do Vale do São Francisco – UNIVASF – Campus Senhor do Bonfim, para participarem da Assembleia Geral, que será realizada no dia 19 de Junho de 2017 (segunda-feira), sala 10 (4º Semestre de Geografia) da Univasf – Campus Senhor do Bonfim, às 19:30 hs (dezenove horas e trinta minutos) em primeira convocação, com a presença de 50% mais um do total de alunos matriculados, ou em segunda e última convocação, dia 20 de Junho de 2017 (terça-feira), às 18:00 hs (dezoito horas), com a presença de qualquer número de alunos, para deliberarem a seguinte PAUTA:

     

1. Confirmação da ATA do dia 07/10/2016
2. Definição da equipe provisória, tais como: presidente, secretário, tesoureiro e coordenador de comunicação;
3. Solicitações aos Professores:
    3.1 lista de presença;
    3.2 forma de avaliação nas provas;
    3.3 calendário de eventos (campo e palestras);
4. Eleição da Comissão Eleitoral;
5. Agendar eleição da Diretoria do Diretório Acadêmico;
6. Pauta a ser incluída se solicitado por algum discente;
7. Debate com questionamentos e reivindicações dos alunos.


                              Alexandre Santos
           Discente Curso de Geografia 4º Período



sexta-feira, 9 de junho de 2017

Reunião Anual de Geografia Urbana - IGU Urban Geography Commission Annual Meeting

Imagem


Acontecerá entre os dias 6 a 13 de agosto de 2017, na cidade de Salvador-BA, a Reunião Anual da Comissão de Geografia Urbana da IGU.


A Comissão Urbana da IGU, em colaboração com o Departamento de Geografia - Instituto de Geociências da Universidade Federal de Salvador de Bahia (Brasil), tem o prazer de convidá-lo para a reunião anual.

Em 2017, o foco especial para esta conferência será sobre cidades digitais e justiça espacial. Embora ofereçam o potencial de aumentar a sustentabilidade, a equidade e a inclusão dentro das áreas urbanas, muitos estudiosos argumentam que a digitalização das sociedades urbanas reflete e adiantou as desigualdades sociais e espaciais existentes. Esta (re) produção de injustiças espaciais dentro da cidade polariza as comunidades e apresenta muitos desafios para os moradores, formuladores de políticas e grupos da sociedade civil. Os trabalhos abordando essas questões são particularmente bem-vindos para a Reunião Anual da Comissão Urbana de 2017.

Além do tema sobre cidades digitais e justiça espacial, os participantes são convidados a enviar documentos individuais e / ou propostas para sessões de painel ou mesas redondas sobre os seguintes focos temáticos da comissão:

Veja mais explicações sobre o conteúdo dos tópicos no site:
Projeto Comissão Urbana 2016-2020
1- Complex Urban Systems e processos de transformação das cidades
2- Inovações tecnológicas, atividades criativas nas cidades,
3- Construção inovadora e inteligente e transporte nas cidades
4- Policentrismo, cidades pequenas e médias
5- Cidades sustentáveis ​​a resilientes
6- Cicatrização e envelhecimento das cidades
7- Governança urbana, planejamento e democracia participativa
8- Espaços Sociais Contested
9- Bem-estar subjetivo / objetivo nas cidades
10- Patrimônio Urbano e Conservação
11- Novos conceitos e métodos em estudos urbanos





quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

A PEC 55 e o estado de sítio rentista





Em 13 de dezembro de 1968, o ditador Costa e Silva decretou o Ato Institucional [AI] nº 5. Essa medida, equivalente ao estado de sítio, consolidou o caráter totalitário do regime de exceção iniciado com o golpe de Estado perpetrado em 31 de março de 1964 com a derrubada do Presidente João Goulart.

O AI 5 ficou vigente até dezembro de 1978, portanto seus efeitos duraram 10 anos.

Exatos 48 anos depois, neste dia 13 de dezembro de 2016, o regime de exceção vigente hoje no Brasil dará um passo decisivo para a instauração do estado de sítio rentista.

Desta vez, o estado de sítio não será decretado por um general-ditador, mas pela maioria golpista do Senado que aprovou a PEC 55/16. Esta PEC retira da Constituição de 1988 os direitos sociais e econômicos, ou seja, o povo, e constitucionaliza a tirania das finanças internacionais.

A PEC 55 sugestivamente cria o “novo regime fiscal”, previsto para durar 20 anos, até 2037. Este regime fiscal de exceção promoverá o mais brutal ataque aos investimentos públicos não só nas áreas da saúde, educação e assistência social, mas afetará também o conjunto da atividade econômica [subsídios do PRONAF, da agricultura, habitação etc], a ciência e tecnologia, as obras e investimentos em infra-estrutura, energia e desenvolvimento.

Durante 20 anos, as finanças internacionais e os grupos especuladores se refestelarão com a transferência de mais de 2 trilhões de reais que deixarão de ser investidos nas necessidades nacionais para serem desviados à orgia financeira através do pagamento da dívida imoral e seus juros extorsivos.

Tanto o governo golpista presidido pelo conspirador Michel Temer, como a maioria do Senado Federal, cujos políticos estão denunciados por corrupção, não têm legitimidade para manter a tramitação desta proposta que implanta uma ditadura financista no país.

É inconcebível que um governo e a quase totalidade de sua base parlamentar de apoio, estando em suspeição por crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha, siga aplicando uma medida que vai deprimir a economia nacional e causar uma crise humanitária pelas próximas décadas.

A votação da PEC 55, nesta circunstância de total inviabilização do governo e da cúpula governista no Congresso, é prova de que a democracia brasileira foi abduzida pelo capital financeiro.

A esdrúxula decisão do STF que preservou Renan Calheiros na presidência do Senado porém retirou-o da linha de sucessão da Presidência da República para não comprometer a tramitação da PEC 55 e da reforma da previdência, é clara evidência do regime de exceção instalado no país para viabilizar a restauração neoliberal e o projeto anti-povo e anti-nação.

O Brasil está prestes a viver num estado de sítio rentista decretado pelo governo golpista numa relação de cumplicidade e de subordinação às chantagens do Judiciário e da mídia, sobretudo a Rede Globo.

O 13 de dezembro de 2016 é a repetição da história – como farsa e como tragédia. Somente com a renúncia imediata de Temer e a realização de eleição direta o Brasil conseguirá evitar uma convulsão social e derrotar a ditadura rentista que os golpistas pretendem instaurar por 20 anos no país.


Por JEFERSON MIOLA
Integrante do Instituto de Debates, Estudos e Alternativas de Porto Alegre (Idea), foi coordenador-executivo do 5º Fórum Social Mundial

http://www.brasil247.com/pt/colunistas/jefersonmiola/270110/A-PEC-55-e-o-estado-de-s%C3%ADtio-rentista.htm

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Integrantes do Curso de Geografia ajudam a combater incêndio próximo a barragem do Aipim


Um incêndio atingiu a área próximo a Barragem de Aipim neste final de semana em Antonio Gonçalves. 
Participaram do combate ao fogo a brigada da cidade de Jaguarari, departamento de meio ambiente, voluntários da univasf, e a turma do professor Gustavo, entre outros voluntários.



Fonte: AG Notícias



Foto: Esmeralda Noticias


Grupo de Pesquisa da Univasf apresenta Projeto em Caicó - RN



Aconteceu entre os dias 18 e 23 de outubro o III Simpósio de Geografia Física do Nordeste no Centro de Ensino Superior do Seridó (CERES), sediado no campus de Caicó/RN da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) tendo como tema central a Geografia Física do Semiárido.



Representando o curso de Geografia da UNIVASF de Senhor do Bonfim, estiveram presentes no simpósio os alunos Lucas Góis, Darlei Pereira, Alexandre Santos e o Professor Gustavo Negreiros, integrantes do grupo de Pesquisa de Geoturismo da Região do Piemonte Norte do Itapicuru - GEOTURPNI, onde expuseram os e-banners e apresentaram o projeto para os presentes.


Apresentação de Lucas Góis

Apresentação de Darlei Pereira

Apresentação do Prof. Gustavo Negreiros

Apresentação de Alexandre Santos

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Calendário Acadêmico é retomado em Juazeiro, Petrolina e Paulo Afonso




O Conselho Universitário (Conuni) da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) decidiu pela retomada do Calendário Acadêmico 2016, na Reunião Ordinária realizada na tarde de sexta-feira (21), no Núcleo Temático 32, no Campus Juazeiro (BA). As aulas do semestre letivo 2016.2 serão reiniciadas nesta segunda-feira (24) nos campi localizados em Petrolina, Juazeiro e Paulo Afonso. Nos Campi Senhor do Bonfim e São Raimundo Nonato, as aulas permanecem suspensas até que seja encerrado o movimento paredista dos estudantes.

O Calendário Acadêmico 2016 havia sido suspenso em 14 de outubro, após a votação pelo Conuni de proposta apresentada pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Univasf, em virtude do movimento paredista deflagrado pelos discentes no dia 10 de outubro. O calendário será ajustado posteriormente para a complementação dos dias parados durante o período de greve estudantil.




No vídeo a discente do curso de Ecologia da Univasf campus de Senhor do Bonfim - BA Aizia lê a carta aberta ao Conuni.



fonte: blog do waldiney passos